Pose de desafio: Vashistasana B

Yoga sempre foi uma manifestação física do meu diálogo emocional interno. Eu pulei na montanha-russa emocional esta semana e observei minha prática mudar com ela. Minha programação de ioga era mais ou menos assim:

Dia um: tudo bem. Nada me pressionando, corpo funcionando bem, sorriso no rosto. A prática foi controlada, aberta e adorável.

Dia dois: vi algo antes de entrar na sala de asana que fez meu sangue ferver. Imediatamente pediu ao professor uma aula de desintoxicação / liberação. Me peguei adicionando Chaturangas e pregando suportes de mão e qualquer outra variação difícil que eu pudesse reunir. Eu estava um pouco fora de controle, mas forte como sempre. Meio como uma banchee de ioga saindo do inferno.

Dia três: entreguei-me a muitas bebidas para adultos na noite anterior e me aninhei no canto dos fundos da sala na esperança de desintoxicar meu sistema. Uma hora de asana parecia uma vida inteira. A postura da criança e a respiração lenta se tornaram minhas melhores amigas. O mesmo aconteceu com meu travesseiro e a jarra de água assim que saí da aula.

Dia quatro: Resolvi problemas de longo prazo que me permitiram dar uma expiração muito necessária. A prática era forte, mas não perfeita, mas eu me descobri gostando de minhas realizações e soluços. Tudo parecia certo porque tudo estava exatamente como deveria ser. Senti confiança - em mim mesmo e no roteiro do espírito para mim.

Soa familiar? Você acha que sua prática está mudando de acordo com seu capricho e humor? É um estudo interessante e a moral da história - a ioga está sempre lá. Vai te levar quando você estiver forte, vai te levar quando estiver fraco. Não importa se você comeu wheatgrass ou tequilla. Não vai se importar se você sentar algumas poses e recuperar o fôlego. Não julga. Permite que você seja você mesmo. Tudo de bom, ruim e feio nisso.

Escolhi Vashistasana B por ser uma das posturas mais expressivas e bonitas que existe. É o epítome da alegria despreocupada. Sem inibições, sem agenda, apenas uma enorme explosão de felicidade interna e confiança em você mesmo e em tudo que o cerca. 

Dito isso, aventure-se nessa postura de coração. Reúna a sua alegria e deixe-a brilhar nesta linda variação de prancha lateral. Se você se enquadrar na minha categoria de dia 2 ou 3, lembre-se de que nada é permanente, isso também passará, e a ioga estará lá em todos os momentos. 

Passo um:

Faz uma pose!

Comece na postura da prancha - ombros sobre os pulsos, dedos abertos, enraizando uniformemente cada junta para baixo. Junte os pés e leve a mão direita ao centro do tapete. Role sobre a ponta do pé direito, empilhando o pé esquerdo diretamente sobre o pé direito. Mantenha os pés flexionados. Estenda o braço esquerdo em direção ao teto empilhando o ombro esquerdo sobre o direito. Puxe a ponta inferior da omoplata direita para baixo nas costas para liberar o pescoço. Levante os pontos frontais do quadril em direção ao coração e alongue o cóccix em direção aos calcanhares. Empilhe o quadril esquerdo acima do direito. Se o equilíbrio for difícil, mantenha o olhar baixo. Desafie-se olhando para os lados ou para cima, na direção das pontas dos dedos. Faça 8 respirações. Volte para a prancha e vá diretamente para o segundo lado ou descanse na postura da criança.

Passo dois:

Adicione um pouco mais. . .

Original text


A próxima etapa é aprender como girar externamente o quadril superior para se preparar para a extensão total! Repita a etapa um chegando à prancha lateral completa. Mantendo o olhar para o lado ou para baixo para manter o equilíbrio, levante a perna de cima da perna e dobre o joelho. Leve a mão de cima até a ponta do dedão do pé e segure o tornozelo ajudando o pé a subir acima da rótula na parte interna da coxa. A sola do pé pousará o máximo que conseguir, mantendo os dedos apontando para baixo na perna. Empurre a parte interna da coxa contra a sola do pé enquanto levanta a parte inferior do quadril em direção ao teto. Trabalhe também para empurrar toda a sola do pé no chão (veja a imagem). A combinação dessas ações irá disparar os músculos oblíquos necessários para obter aquele za-za-zing extra na pose final!

Passo três: 

O que Burt faria. . .

Anantasana, ou como chamo de brincadeira, Burt Reynolds-asana (se você não entende a piada google Burt Reynolds centerfold. Oh mamãe.) É uma ótima postura para envolver os oblíquos e se preparar para a rotação externa. Deite-se de barriga para baixo. Role para o lado direito e sustente a cabeça com a mão direita, mantendo

g o peso no cotovelo. Você deseja estar em uma linha completamente reta, então, se tiver dificuldade, pode alinhar o calcanhar, joelho, quadril, ombro e cotovelo com a borda posterior do tapete. Dobre a perna de cima e coloque a sola do pé na frente da parte interna da coxa, de modo que os dedos apontem diretamente para o outro pé. Pegue a mão de cima e coloque-a na parte interna da coxa, pressionando para trás para estimular mais rotação do quadril. Alongue o cóccix em direção ao calcanhar e levante os pontos frontais do quadril para conectar a força central.

Segure o montículo do dedão do pé com a mão de cima e comece a esticar a perna em direção ao teto. Deixe endireitar ser uma palavra-chave. Trabalhe com a perna reta ou até sentir uma quantidade razoável de sensações. Flexione o pé inferior envolvendo todo o comprimento da perna. Isso funcionará como sua âncora. Agora, está tudo bem se você começar a oscilar como um peixe fora d'água; isso é muito comum. São os músculos laterais tentando se engajar para mantê-lo equilibrado. Continue a ancorar a perna de baixo para ajudar na elevação da parte superior. Faça respirações Ujjayi profundas e segure por até um minuto.

Etapa quatro:

Liberte-se!

É hora de combinar sua âncora, núcleo lateral e extensão! Repita o passo um chegando em Vashistasana (Side Plank). Mantenha o olhar mais baixo para manter o equilíbrio e dobre a perna de cima agarrando o monte do dedão com o indicador superior, o dedo médio e o polegar. Lentamente estenda o pé para cima em direção ao teto trabalhando em direção reta. À medida que a perna de cima fica mais alta, ancore a perna de baixo mais fundo - pressione a sola do pé para baixo em direção ou no tapete, se possível. Esta ação envolve o glúteo inferior e oblíquo para levantar os quadris e elevar a perna de cima. Enraíze-se na palma da mão inferior enquanto a ponta da omoplata inferior desliza pelas costas. Gire lentamente o pescoço para olhar para o pé e a mão de cima. Experimente um sorriso ou uma grande exalação de alívio e liberdade! Faça 5 respirações e libere de volta na prancha lateral. De Side Plank, entre em Plank.Faça um vinyasa e entre na postura da criança.

Kathryn Budig é professora de ioga, escritora, filantropa, Huffington Post, Elephant Journal, blogueira MindBodyGreen + Yoga Journal, foodie e amante de seu cachorro. Siga-a no Twitter e Facebook ou em seu site.

Recomendado

Cura Traumas da Vida com Yoga
5 fotos inspiradoras de ioga em grupo de leitores
Melhores leggings de cintura alta