História de LA (Yoga): Kundalini Star Gurmukh Kaur Khalsa

Considere isso uma tarde normal de terça-feira na casa de Gurmukh Kaur Khalsa em Los Angeles: O zumbido dos colibris se alimentando na folhagem exuberante da entrada do pátio parece mais alto do que o tráfego do Wilshire Boulevard, a não mais de um quarteirão de distância. Numerosos pares de sapatos formam uma espécie de borda aleatória em torno do pátio, um sinal claro de que uma de suas aulas de Kundalini Yoga está em andamento. A porta da frente se abre com um tilintar de sinos e lá está Gurmukh, vestida com roupas indianas totalmente brancas, de turbante da cabeça para baixo. Tão radiante é seu sorriso e tão espumosas são suas roupas que ela evoca uma imagem da Bruxa Boa do Oriente. Embora a casa de Gurmukh possa não ser Oz, você definitivamente também não está no Kansas.

Duas mulheres passam por ela com um abraço a caminho de localizar seus sapatos. "Você conheceu Julie e Melissa?" ela pergunta, apresentando todos uns aos outros com alegria contida. É fácil perceber que as apresentações são uma de suas coisas favoritas. Alô e Tão-prazer-em-conhecê-lo são feitos, então é hora de nos vermos de novo. Quando ela fecha a porta, Gurmukh diz sem rodeios: "Melissa é uma cantora. Ela é muito boa! ​​Acho que ela está ficando popular também."

É quando fica claro que Gurmukh é um mestre do eufemismo ou honestamente não percebeu o fato de que alguns milhões de fãs já acham que Melissa (como em Etheridge) é muito boa de fato, se seus Grammys forem alguma indicação.

Gurmukh revira os olhos. "Eu sou tão sem noção", diz ela. "Quando Courtney ligou pela primeira vez, pensei que ela era aquela garota do programa Friends de que todo mundo sempre fala. Então eu tive que perguntar ao meu marido, 'Quem é Courtney Love?'"

O Yogini mais popular de Hollywood?

Isso pode parecer estranho vindo de uma mulher que apareceu em nada menos que o New York Times, Vogue, W, InStyle, Spin e Rolling Stone como o iogue mais famoso de Hollywood, que ensinou Madonna, Cindy Crawford, Al Pacino, David Duchovny, Red Hot Chili Peppers, REM ... Digamos que provavelmente é mais fácil nomear a elite de Hollywood que não entrou pela porta de Gurmukh em algum momento na última década.

Tudo começou com um telefonema há 10 anos do gerente de David Duchovny que tinha ouvido falar sobre Kundalini Yoga e queria um professor. Gurmukh acabou ensinando um grupo de atores de "Twin Peaks", incluindo Sherilynn Fenn. Ela logo entrou na casa de diretores, estrelas, músicos e até mesmo alguns analistas políticos para aulas particulares. “Um telefonema levou a outro, depois outro e outro”, diz ela. "Eu não procurei. Simplesmente aconteceu."

Leia mais sobre Kundalini Yoga

Esta pareceria uma oportunidade ideal para influenciar os formadores de opinião mais famosos, que então produziriam trabalhos mais iluminados. Gurmukh diz que foi isso que ela pensou também, mas ela percebeu que nenhum efeito é tão direto. "Os próprios alunos não estavam aproveitando tudo o que podiam com a experiência fazendo isso sozinhos. Muitas vezes eu voltava para casa e sentia que não tinha feito o suficiente, porque não insisti em coisas que sei em meu coração fariam realmente os ajudaram ", diz ela. "Eu percebi que se eu ensinar 100 pessoas em uma hora e meia, eu ajudo o mundo mais do que se eu ensinar apenas uma, não importa quem seja essa pessoa."

Então, no ano passado - apesar do dinheiro e das revistas brilhantes - Gurmukh parou de dar sessões privadas, dizendo a cada um de seus clientes importantes que, para experimentar tudo o que o Kundalini Yoga tem a oferecer, eles teriam que participar das aulas. “Foi o fim de um capítulo da vida deles, mas eles entenderam”, diz ela. "Em um nível muito profundo, eles sabiam que era a verdade."

The Back Story

O nome de Gurmukh, que significa "aquela que leva milhares através do oceano mundial", foi dado a ela por Yogi Bhajan, o mestre Sikh que introduziu o Kundalini Yoga na América. “Sei que o nome descreve meu destino”, diz ela. Mas para uma garota do subúrbio de Chicago de Downer's Grove, encontrar seu destino não foi fácil.

“Faltava algo que eu sempre procurava”, diz ela. Sua busca por um significado a levou primeiro à Alemanha, depois de volta a Chicago e, por fim, a San Francisco para estudar atuação. Aos 22 anos, ela se casou e teve um filho menino, apenas para ver seu filho morrer aos 7 meses de um defeito cardíaco congênito. “Eu não tinha ferramentas para lidar com minha dor ou alguém a quem recorrer”, lembra ela. Então ela partiu sozinha em uma jornada para curar.

Sua primeira parada foi no México, onde viveu entre os índios de Oaxaca, depois no Havaí, onde foi levada para um zendo. O que começou como uma breve parada se tornou um ano de profunda reflexão: ela meditava sete horas por dia, cultivava e colhia sua própria comida e levava uma vida contemplativa. Com a bênção do roshi, ela fez planos para ir ao Japão para se tornar uma freira zen. Mas, como diz a velha piada, se você quer fazer Deus rir, conte-lhe seus planos. Então, com 28 anos, ela voltou para o que ela pensava ser uma visita rápida à Califórnia antes de ir para o Japão. Enquanto estava lá, ela conheceu um velho amigo. Ele insistiu que ela fosse com ele a um ashram de que tinha ouvido falar em Tucson, Arizona, porque acreditava que Deus lhe disse para levá-la lá. "Eu disse: 'O que é um ashram?'", Lembra ela com uma risada. Os dois carregaram seu fusca e dirigiram para o Arizona,onde eles entraram em uma aula de ioga em sessão. Sua amiga foi embora depois de uma semana, pagou o quarto e a alimentação do primeiro mês e ela nunca mais o viu.

"Eu encontrei o que sempre estive procurando."

"Eu encontrei o que sempre estive procurando." O ano era 1971. Gurmukh lembra daqueles dias emocionantes no ashram; O Yogi Bhajan trouxe o Kundalini Yoga para a América do Norte apenas dois anos antes, então os pioneiros estavam imergindo nos fundamentos da prática: Embora Kundalini use os asanas tradicionais, é uma forma muito suave de ioga que incorpora alguma forma de Pranayama (respiração ), mantras (palavras sagradas) e mudras (gestos simbólicos com as mãos) em cada sessão. Isso é feito com os olhos fechados e focalizados na glândula pituitária, ou "terceiro olho", para canalizar a kundalini, a "energia da consciência". "Sem esse fluxo constante de energia, você não poderia viver", diz Gurmukh. Mais do que um exercício, o Kundalini Yoga é um sistema iogue abrangente,incorporando um estilo de vida vegetariano, técnicas de cura eseva (serviço abnegado aos outros).

Durante dois anos, Gurmukh trabalhou no ashram e ensinou ioga na Universidade do Arizona e na instituição correcional estadual, depois foi chamada para trabalhar no "centro materno" no Novo México. Os cinco anos que ela morou lá foram repletos de turbulências pessoais, então Yogi Bhajan a enviou para a Índia, onde ela ficou por quatro meses orando, meditando e fazendo ioga. Seu ponto de viragem espiritual foi um yatra (peregrinação), onde ela subiu 17.000 pés ao longo de três dias para chegar a um santuário na montanha. “É onde a escritura Sikh diz que Deus disse a Guru Gobin Singh para reencarnar para ajudar o mundo”, ela explica. "Eu peguei minhas feridas e as curei lá."

Uma estrela da Kundalini em Hollywood

Sua viagem de volta à América incluiu uma parada em Los Angeles que já dura 22 anos. "Eu sempre estive voltando para o Novo México!" Ela adiciona. Ela abriu as portas do Yoga West, o primeiro centro de Kundalini Yoga em LA, onde atuou como diretora por seis anos. Lá ela conheceu seu marido, Gurushabad. Casado há 16 anos, o casal tem uma filha de 14 anos. Gurmukh também atua como diretor do Seva Corps of Sikh Dharma, uma fundação sem fins lucrativos que oferece bolsas educacionais para crianças, e é membro fundador da Khalsa Way, uma organização dedicada a ajudar as pessoas a ter e criar crianças saudáveis.

"Khalsa significa 'puros', então o objetivo é trazer a pureza de volta às famílias", diz ela. "Nós ajudamos as mães antes mesmo de conceberem a ter uma mente meditativa para que possam transferir essa energia para seus filhos." A participação em suas aulas pré e pós-natal é fenomenal - os obstetras locais encaminham as gestantes a Gurmukh tanto para os benefícios dos exercícios quanto para as recompensas mentais e emocionais que a ioga proporciona. “Acredito que a alma de Shannon, o bebê que perdi, foi enviada para me ajudar. Ele veio como meu professor”, diz Gurmukh. "Se sou considerada uma boa professora, é porque a idade e a experiência de vida me tornaram assim. Além disso, acho que faz diferença ser uma dona de casa e uma mãe. Já experimentei o que todo mundo já passou. Mas eu encontraram uma saída para a dor. "

No final de qualquer aula, Gurmukh serve Yogi Tea e biscoitos. Isso dá às pessoas a chance de "voltar à terra", ela explica, e também a chance de se conhecerem. As aulas de sexta à noite, entretanto, são seguidas por um banquete vegetariano completo. "Esta é a verdadeira ioga - união com você mesmo e com os outros", diz Gurmukh, que no momento está fazendo várias coisas ao mesmo tempo, certificando-se de que todos tenham um prato e também apresentando um homem solteiro a uma mulher solteira. (Ela confessa ter uma fraqueza pela combinação: "Adoro quando os casais se encontram nas aulas de ioga!")

A multidão que fica em pé torna óbvio por que ela embarcou na abertura de um novo centro, chamado "Golden Bridge: The Heart of Yoga", a apenas algumas quadras de sua casa no centro da cidade: a necessidade de mais espaço. Seu novo estúdio é a mais recente adição aos 350 centros de Kundalini Yoga ao redor do mundo. “Eu sou apenas um falou em uma grande roda gigante”, diz ela. "As pessoas desejam pertencer. Elas precisam de lugares onde possam amar e se curar juntas. Muitas pessoas estão procurando, como eu, por algo mais, e o estão encontrando na ioga e na meditação."

Gurmukh fica parado por um momento para enfatizar um ponto: "Mais do que descobrir ioga, quero que meus alunos descubram o que Yogi Bhajan me ensinou: que somos seres espirituais aqui para ter uma experiência humana." Ela sorri de novo e diz em tom maternal: "Nosso direito de nascença é a felicidade".

Veja também uma entrevista com Gurmukh  The Gong Show.

Samantha Dunn é redatora freelance em Malibu, Califórnia, cujo trabalho aparece na Shape, InStyle, Women's Sports and Fitness e Bikini. Seu primeiro romance, Failing Paris, foi publicado pela Toby Press.

Recomendado

"Pratique e tudo está vindo."
Pose do desafio de Kathryn Budig: Ganda Bherundasana
Melhores filtros de carvão para água