Conversando com o Barão Baptiste

Ao longo dos anos, o Barão Baptiste estudou Raja, Ashtanga, Iyengar e Bikram Yoga, fundindo esses estilos para produzir seu próprio fluxo vigoroso e desafiador de vinyasa baseado no calor. Ele dirige os movimentados Power Yoga Institutes em Boston e Cambridge, Massachusetts e Filadélfia; criou o termo "Boot Camp" para seus retiros internacionais de ioga de oito dias; é destaque em vídeos de ioga mais vendidos e na ESPN; e é o autor de Journey into Power: How to Sculpt Your Ideal Body, Free Your True Self, and Transform Your Life with Yoga (Simon and Schuster).

Yoga Journal: Como foi crescer tendo os pais iogues?

Barão Baptiste: Eu cresci com muitos professores ao redor - Swami Rama, Sai Baba, Muktananda. Nos anos 50, quando meus pais começaram, era uma coisa muito estranha praticar ioga. As pessoas achavam que era um culto. Na escola, fui provocado e chamado de Hare Krishna. No almoço, comi pão de trigo e uma banana com uma mancha marrom, enquanto outras crianças comeram Twinkies e Wonder Bread.

YJ: Você planejou seguir os passos de seus pais?

BB: Nunca pensei que seria professora de ioga. Fui forçado a dar minha primeira aula por meu pai, que estava saindo da cidade e queria que eu fosse um substituto. Eu não queria, mas fui e ensinei mesmo assim. Durante aquela aula, descobri algo em mim mesmo. Eu vi que as pessoas gostaram autenticamente, e isso tocou algo em mim. Meu pai disse: "Você sabe muito e cresceu com muitos professores excelentes. Se não compartilhar o que sabe, você perde. Você tem uma responsabilidade". Essas palavras combinadas com aquela primeira experiência de ensino ressoaram em mim. Ele me empurrou para a beira do penhasco e, em vez de cair, voei.

YJ: Qual é a sua prática pessoal?

BB: Eu tento fazer algo duas vezes por dia, às vezes é só um pouquinho. O lugar em que minha vida está determinará sua intensidade - qualquer coisa, desde vinyasa restaurador a de alta intensidade. Tento ser verdadeiro comigo mesmo a cada dia e ver o que sou movido a fazer. Eu não tenho um molde ou projeto externo para seguir, mas em geral sou puxado para o vinyasa, movimento baseado no calor movendo a energia pelo meu corpo.

YJ: Por que você decidiu usar o termo "campo de treinamento" para seus retiros?

BB: Gosto do termo porque deixa em aberto para que qualquer coisa aconteça, e podemos realmente seguir com a energia. Isso pode significar acordar cedo e ficar acordado até tarde - às vezes ficamos 18 horas por dia quando a química, a energia para aprender, está presente.

YJ: Já ouvi muitas pessoas descreverem seu estilo, mas como você o descreveria?

BB: Na base, para mim, a prática é 20% mecânica e 80% psicologia espiritual. Como Buda disse: "Tudo é mente." Rotinas rígidas realmente não funcionam bem para mim. Em vez disso, gosto de prática fluida. Meu estilo é baseado em estar seguro e abrir o corpo de um lugar que protege o sistema articular. Eu faço muitas sequências criativas e ensino minha filosofia às pessoas: "Seja verdadeiro consigo mesmo." Você sabe intuitivamente o que é certo. Eu sei em minha própria vida quando duvido de minha intuição, isso me coloca em apuros. Todos nós temos um professor interior e, se você estiver realmente "no agora", saberá quando empurrar, quando se render e quando descansar.

YJ: O que você acha da popularidade do ioga?

BB: Muitas pessoas vêm para a ioga inicialmente porque sabem que é físico, mas quase imediatamente, as pessoas aproveitam as experiências em seus corpos. Eles se sentem calmos, relaxados e tomam consciência de toda uma outra dimensão além do físico. Eles descobrem todo o outro mundo do Espírito e o poder da mente. O subproduto do trabalho árduo do asana é um corpo mais forte e flexível, mas isso é apenas um subproduto - maravilhoso porque nosso corpo é nossa base e é bom ter essa base construída sobre a rocha.

Recomendado

É seguro o despertar da Kundalini?
Por que experimentar o Yin Yoga?
Pose de camelo