O comprovado poder de cura da compaixão

Em sua essência, a compaixão é um presente do espírito - alguém com o poder de mudar vidas.

Ame. Empatia. O impulso sincero de ajudar os necessitados. A compaixão é uma consciência profunda do sofrimento dos outros, juntamente com o desejo de aliviá-lo. "A compaixão não tem nada a ver com qualquer interesse próprio ou expectativa. É uma virtude ou forma de cuidar de outra pessoa que está enraizada na consciência espiritual", disse Swami Ramananda, diretor do Instituto de Yoga Integral de São Francisco.

Ultimamente, os cientistas ficaram fascinados por essa capacidade humana inata de sentir uns pelos outros, e por um bom motivo: esteja você doando ou recebendo, a compaixão demonstrou ter efeitos profundos e mensuráveis, a partir de níveis reduzidos de estresse e depressão para uma cura mais rápida da cirurgia. Um crescente corpo de pesquisas sobre compaixão está cruzando as fronteiras entre a ciência e as tradições contemplativas para explorar e compreender como nos importamos e por quê. Pesquisadores das universidades de Stanford, Harvard e Emory, entre outras, estão construindo um corpo de evidências que apóia uma verdade que os iogues há muito conhecem: através da prática, podemos aumentar nossa própria capacidade de generosidade e amor e, ao fazer isso, beneficiamos ambos como indivíduos e como sociedade.

"A compaixão pode ser vista como uma qualidade do coração e também uma habilidade a ser cultivada", diz Margaret Cullen, terapeuta e professora sênior do Centro de Pesquisa e Educação da Compaixão e Altruísmo da Universidade de Stanford. "Quanto mais você pratica a compaixão, mais você revela ou acessa o desejo humano natural e espontâneo de ajudar os outros. Você vive mais perto dela e ela se torna mais disponível. Este é realmente o remédio de que o mundo precisa."

Veja também O que a compaixão radical significa para a ativista Joanna Macy

Pesquisa confirma que doar nos faz sentir bem

Você já sabe que é bom dar - como doar para uma causa em que você acredita ou comprar um sanduíche para um sem-teto pode alegrar o seu dia inteiro. Agora, há ciência que explica por que boas ações têm tal poder para elevar o humor.

Varreduras cerebrais de pessoas no ato de dar descobriram que atos generosos ativam os mesmos centros de recompensa no cérebro que prazeres como comida e sexo fazem. Quando essas áreas são estimuladas, a dopamina e outros neurotransmissores de bem-estar são liberados, resultando em sensações de prazer que podem variar de contentamento a euforia.

"O mecanismo da biologia explica o que as tradições espirituais vêm dizendo desde sempre", diz Stephen G. Post, diretor do Centro da Escola Médica de Humanidades Médicas, Cuidado Compassivo e Bioética da Stony Brook University e autor de The Hidden Gifts of Helping. "Dar aos outros é tão importante para o florescimento humano quanto sexo e boa comida. Isso ilumina a parte do cérebro que o faz feliz."

Em 2010, uma equipe de pesquisadores, incluindo o professor de administração de empresas da Universidade de Harvard, Michael Norton, analisou dados sobre os hábitos de consumo de mais de 200.000 pessoas em 136 países que vieram de uma ampla gama de origens socioeconômicas. A equipe descobriu que gastar dinheiro com outras pessoas tornava as pessoas universalmente felizes, independentemente das diferenças de cultura ou nível de renda. Em um estudo anterior publicado em 2008 na revista Science, Norton entrevistou 632 americanos sobre seus hábitos de consumo e níveis de felicidade e chegou à surpreendente conclusão de que gastar dinheiro com os outros torna as pessoas mais felizes do que gastá-lo consigo mesmas.

Presentes maiores não significam necessariamente maior prazer. Norton descobriu que mesmo pequenos presentes aumentam a felicidade por parte de quem o dá. “As pessoas muitas vezes pensam que estamos defendendo que elas doem todo o seu dinheiro”, diz Norton. "Pensamos nisso mais como pequenas mudanças em seus gastos no dia a dia, como comprar uma xícara de café para um amigo. Você também pode fazer grandes coisas, mas também se trata de encontrar maneiras cotidianas de incorporar doações sua vida."

Aprenda a se abrir para os outros

"Compaixão vem de ser movido pelo sofrimento de outra pessoa", diz Emiliana Simon-Thomas, uma neurocientista consultora do Centro de Pesquisa e Educação de Compaixão e Altruísmo da Universidade de Stanford, que lidera pesquisas inovadoras sobre compaixão. É um instinto natural, diz ela, e que os pesquisadores observaram em crianças com apenas um ano de idade.

Mas, embora possa ser natural, essa capacidade de abrir nossos corações e interagir com outras pessoas nem sempre é fácil, especialmente quando estão com dor. Pesquisadores de Stanford desenvolveram um método de treinamento para ajudar a dar às pessoas as habilidades para se abrirem ao sofrimento dos outros. Chamado de Treinamento de Cultivo de Compaixão, o programa de nove semanas usa técnicas de meditação adaptadas de várias tradições contemplativas - como tonglen, uma prática budista tibetana na qual você imagina respirar o sofrimento de outra pessoa enquanto envia amor e bondade enquanto expira - para ensinar os alunos como nutrir seus instintos de compaixão e regular suas emoções para que possam sentir a dor de outra pessoa sem serem engolfados por ela. O grupo de Stanford está pesquisando a eficácia do treinamento e os resultados preliminares mostram isso 's bem-sucedidos em aumentar os sentimentos de compaixão. Simon-Thomas diz que os resultados diretos das técnicas de meditação orientada para a compaixão são experimentados todos os dias por aqueles que as praticam. “É provável que você obtenha uma visão muito mais profunda de seu próprio bem-estar e mais sucesso em sua vida interpessoal”, diz ela. "A compaixão facilita conexões mais significativas com outras pessoas."

Veja também Como Cultivar Compaixão

Como abrir e conectar-se ao seu coração

A compaixão é uma qualidade natural, mas às vezes você perde o contato com ela quando sua mente está desconectada do coração, diz Swami Ramananda, do Instituto de Yoga Integral. No coração, você pode abraçar e aceitar todos os aspectos de si mesmo e das pessoas ao seu redor. Mas quando você reside principalmente na mente racional, muitas vezes sente as outras pessoas como obstáculos para seus objetivos, em vez de outros seres no caminho. Alguns momentos por dia cultivando a compaixão podem ajudá-lo a estabelecer sua consciência em seu coração.

Ramananda sugere esta prática: Sente-se confortavelmente e respire lentamente várias vezes. Comece com um canto ou prece que seja significativo para você, ou silenciosamente estabeleça uma intenção. Se desejar, cruze as mãos sobre o coração. Agora, lembre-se de uma pessoa que você ama. Pense nessa pessoa, mantendo a presença dela em seu coração. Sinta a energia saindo do seu coração e fluindo em direção à pessoa amada. Depois de alguns minutos, experimente dirigir essa mesma energia amorosa para dentro, direcionando-a para você.

Abra seu coração para si mesmo. Se pensamentos críticos ou sentimentos de indignidade surgirem, deixe a energia da compaixão fluir para você, aceitando-se como é. Depois de algum tempo, direcione essa energia para fora novamente, chamando a atenção de outras pessoas que você conhece e abraçando-as com a mesma compaixão, aceitando tanto seus pontos fortes quanto suas deficiências. A beleza do coração é que ele tem a capacidade de abraçar tudo.

Termine sua prática com a intenção de levar essa franqueza com você para o dia. Se houver uma palavra ou frase que expresse sua intenção para esta prática, lembre-se disso ao longo do dia. Diga a si mesmo, por exemplo: "Estou respirando pelo coração" ou "Deixe-me respirar pelo coração".

Veja também Seja o seu próprio treinador de vida: 7 técnicas para viver seus sonhos

Coloque a compaixão em ação

Um em cada cinco americanos dedica tempo ao serviço comunitário, e por um bom motivo: de acordo com um estudo de 2010 com 4.500 adultos, 89% disseram que se sentiram mais bem-estar após o voluntariado, 73% reduziram os níveis de estresse e 68% se sentiram mais saudáveis. Este estudo é o exemplo mais recente em um crescente corpo de pesquisas que mostra que servir livremente aos outros pode reduzir a ansiedade e a depressão, acelerar a recuperação de doenças, reduzir a dor, ajudar os idosos a manter a mobilidade e aumentar a longevidade.

Portanto, há evidências poderosas de que colocar a compaixão em ação é bom para sua saúde. Mas e se você estiver assustado com o número de opções de voluntariado e não tiver certeza por onde começar? Comece de forma sustentável integrando o trabalho voluntário em sua vida diária, sugere Robert Rosenthal, da Volunteer Match, uma organização sem fins lucrativos que junta pessoas em busca de trabalho voluntário com mais de 80.000 organizações necessitadas.

Procure na escola, igreja ou outras organizações comunitárias de sua vizinhança maneiras fáceis de contribuir e seja criativo ao usar muitas das coisas que já está fazendo para beneficiar outras pessoas. Por exemplo, se você faz compostagem, entregue o composto extra em uma horta comunitária local e arranque algumas ervas daninhas enquanto estiver lá. Quando for fazer compras, pergunte o que você pode comprar na escola ou abrigo local. Passe um tempo de qualidade com sua família participando de um dia de limpeza local no parque, na praia ou na margem do rio de sua vizinhança.

“Em vez de aspirar a ser voluntário, encontre algo que você possa fazer e que funcione para a vida que você tem agora”, diz Rosenthal. "Comece com algo que esteja ao seu alcance e desenvolva-o."

Veja também Encontre Seu Propósito Usando Shraddha + Dharma

Recomendado

5 produtos de beleza ayurvédicos refrescantes
Yoga para homens: por que mais rapazes deveriam praticar ioga
Complemente a sua prática de ioga com esta inspiradora lista de reprodução de meia maratona