Encontrando o Propósito da Sua Alma: Os Quatro Purusharthas

Nem eu, nem qualquer outra pessoa, posso percorrer esse caminho por você.

Você deve viajar sozinho.

Não é longe. Ele está ao seu alcance.

Talvez você esteja nele desde que nasceu, e não sabia.

Talvez esteja em toda parte - na água e na terra.

-Walt Whitman

A jornada da ioga começa com uma pergunta sussurrada que vive nas profundezas silenciosas de nossos corações, um desejo de saber quem somos e por que estamos aqui. Meditando profundamente sobre essas questões, os antigos sábios descobriram quatro forças principais em jogo que moldam profundamente nossa vida cotidiana e nos orientam em um caminho para a realização significativa.

Os Purusharthas , mencionados nos textos védicos e nas grandes epopéias do Ramayana e do Mahabharata, são traduzidos em sânscrito como "objetivos da existência humana" ou "propósito da alma". Esses objetivos universais influenciam cada pensamento e ação de nossas vidas. Eles são artha , kama , dharma e moksha .

Artha é o bem-estar material e a busca dos meios de que precisamos para sobreviver e prosperar dentro das complexas forças políticas e econômicas de nossos tempos. Kama é o desejo, nossa experiência de gozo, prazer, beleza, satisfação sensual, amor e deleite. Dharma é ação correta de acordo com a lei natural (Rta), serviço ao bem maior e a descoberta de nosso verdadeiro propósito, por que estamos aqui. E, moksha é realização espiritual e liberdade.

Tradicionalmente, a ioga é mais amplamente entendida como a busca de moksha. Talvez uma visão mais integrada dos quatro Purusharthas, e mais próxima de sua intenção original, seja que para que ocorra um amadurecimento espiritual completo, precisamos integrar e equilibrar todos os quatro, o principal dos quais é o dharma.

Veja também  Conflito espiritual: O desejo o torna espiritualmente fraco?

Dharma

Por que estou aqui?

A felicidade não é alcançada por meio da autogratificação, mas pela fidelidade a um propósito digno.

-Helen Keller

Um conto indiano conta como um rei pediu a seu assistente que fizesse uma longa jornada para adquirir um documento importante para a sobrevivência do reino. O jovem iniciou sua jornada, animado com a perspectiva de conhecer novos lugares e conhecer novas pessoas. Depois de dois anos, ele voltou, ansioso para contar ao rei sobre sua miríade de experiências e oferecer-lhe todas as coisas raras que encontrou. O rei ouviu pacientemente sua longa história e, quando o jovem finalmente terminou, perguntou-lhe: "E onde está o documento que você pediu para recuperar?" Atordoado com a pergunta, o assistente percebeu que havia se esquecido completamente do propósito de sua viagem.

Esta parábola ilustra que não importa quantas experiências possamos ter, se não seguirmos e cumprirmos o propósito de nossa vida, a jornada será vazia, não importa o quão aparentemente cheia. Existem muitos significados diferentes para dharma, mas, neste contexto, dharma se refere ao propósito de vida da pessoa. É por isso que estamos aqui, as lições mais profundas que viemos a entender e os dons que viemos para oferecer ao mundo. No Bhagavad Gita, Krishna aconselha um duvidoso e confuso Arjuna: "É melhor fazer o próprio dharma, ainda que de maneira imperfeita, do que fazer o de outro, embora perfeitamente." Nos tempos védicos, o papel de uma pessoa na sociedade era prescrito dependendo de sua casta, se fosse trabalhador, guerreiro, comerciante ou sacerdote. Nos tempos modernos, especialmente no Ocidente, quando esses papéis não são definidos,seguir o dharma nos desafia a ouvir e seguir nossa bússola interior e os sábios conselhos de amigos espirituais de confiança.

Nossa compreensão e prática do dharma mudam ao longo da vida e envolvem um compromisso contínuo com a autodescoberta. O Dharma abrange não apenas nossas responsabilidades para com nossa família e sociedade, mas também as lições internas que aprendemos e as qualidades que estamos aqui para incorporar. É a nossa oferta de si mesmo ao mundo que nenhuma outra pessoa pode expressar da mesma maneira.

Veja também  Encontrando Seu Dharma como um Caminho para a Cura Yógica

Artha

O que eu preciso?

O Dharma é bem praticado pelos bons. O Dharma, no entanto, é sempre afetado por duas coisas, o desejo de lucro (artha) nutrido por aqueles que o ambicionam e o desejo de prazer (kama) nutrido por aqueles que estão casados ​​com ele. Quem quer que, sem afligir o dharma pelo lucro, ou o dharma pelo prazer, segue todos os três - dharma, lucro e prazer - consegue obter grande felicidade.

—O Mahabharata, Livro 9.60

Em muitas tradições religiosas, a riqueza material e as buscas espirituais se opõem; para perseguir um, você deve abandonar o outro. A imagem de um asceta com um tridente usando uma tanga pode ser contrastada com a de uma rainha radiante vivendo em um palácio suntuoso. Como podemos reconciliar essas expressões aparentemente opostas de artha? Quando refletimos sobre nossas próprias vidas, podemos descobrir que às vezes nos movemos mais em direção à renúncia (do material) e outras vezes em direção ao envolvimento mundano.

As circunstâncias externas não são necessariamente indicativas do que realmente está acontecendo. Um asceta pode ter profundo apego ao respeito que recebe dos outros por sua renúncia, e a rainha pode ser capaz de renunciar em um piscar de olhos à exibição luxuosa de seu domínio. O que é único sobre a artha é que ela apóia e está a serviço de nosso verdadeiro dharma, seja ele qual for.

Porém, para nós, que vivemos em uma sociedade de consumo forte, precisamos estar cientes de como é fácil ser esmagado pela busca pelo ganho material e pela busca constante pelo conforto. Quantos metros quadrados realmente precisamos para nos abrigar? De quanta comida precisamos para nos mantermos saudáveis ​​e satisfeitos? Existem muitas maneiras pelas quais podemos ser sequestrados para buscar muito mais do que nossas necessidades essenciais. Nossas vidas podem labutar no ciclo contínuo de ganhar e gastar. Quando nos tornamos claros sobre nosso dharma, podemos discernir mais facilmente o que realmente precisamos como suporte material.

Veja também  Meditação de Mapeamento Mental para Identificar Shraddha + Dharma

Kama

O que eu quero?

Onde quer que Bela espreitasse, o amor aparecia ao lado; onde quer que a beleza brilhasse em uma face rosada, o amor acendia sua tocha naquela chama.

- Jami

Na mitologia indiana, Kama é frequentemente descrito como o deus do amor segurando um arco e uma flecha com o objetivo de ressuscitar os corações afundados daqueles em desespero e tentar os poderosos. As flechas de Kama têm pontas de flores e seu arco é descrito como o mais poderoso do universo, embora seja feito simplesmente de um junco de cana-de-açúcar e um colar de abelhas zumbindo. Com o aparecimento de Kama, nuvens de tempestade grávidas emergem do horizonte, flores desdobram suas pétalas e raios partem o céu. Fragrâncias intoxicantes envolvem a terra e os humanos realizam o mais antigo dos rituais, a dança da fertilidade.

Tudo o que nasce se origina de kama. Nada ocorre do nascimento à morte sem kama. É o anseio que nos atrai ao limiar do templo e o amor feroz que ajuda o iogue a transformar as expressões destrutivas do desejo. Kama é poderoso e de dois gumes: suas flechas do amor podem abrir um coração fechado ou causar estragos até mesmo no mais disciplinado e talentoso dos ascetas.

Kama também pode ser a causa de tanto sofrimento. O desejo em seu aspecto não refinado pode ser uma fome insaciável. Quando está impregnado de nosso dharma, é a experiência natural, sem muito apego e apego, de prazer, amor e a doce beleza do mundo e a generosidade de nossos relacionamentos. Kama é curativo porque revitaliza nossos sentidos, suaviza o foco endurecido da mente e traz um brilho amoroso aos nossos olhos. É a fonte de nossa criatividade e da plenitude do amor que naturalmente deseja ajudar todos aqueles que entram em nossas vidas.

Moksha

Quem sou eu?

O coração do universo, com cada pulsação, lança a torrente de felicidade em cada artéria, veia e veia, de modo que todo o sistema é inundado com marés de alegria. A abundância do lugar mais pobre é grande demais: a colheita não pode ser feita. Todo som termina em música. A borda de cada superfície é tingida de raios prismáticos.

-Ralph Waldo Emerson

Moksha é o completo despertar para nossa verdadeira natureza e a libertação do sofrimento. Na tradição de Patanjali e do budismo inicial, moksha é uma realização iogue final expressa como a libertação da ignorância e um desengate deste mundo. Na tradição tântrica, moksha é ser livre no meio da cacofonia do mundo, uma revelação contínua e abertura para as profundezas sem fim da sabedoria e do amor. Em sua raiz, moksha é o desejo universal de cura, bem-estar, compreensão espiritual e a experiência de nossa verdadeira natureza. É o conhecimento oculto, o sussurro repentino que podemos ouvir quando as coisas vão mais mal em nossas vidas ou quando estamos realmente receptivos, lembrando-nos de nossa herança divina ilimitada.

Veja também  Alimente Seu Espírito: Alcance a Verdadeira Meditação

Equilibrando os Quatro Purusharthas

A técnica de uma ioga que muda o mundo deve ser tão uniforme, sinuosa, paciente e abrangente quanto o próprio mundo. Se não trata de todas as dificuldades ou possibilidades e cuida cuidadosamente de cada elemento necessário, tem alguma chance de sucesso?

—Sri Aurobindo

Como os fios tecidos juntos para criar uma tapeçaria unificada, cada faceta de nossas vidas pode se tornar uma oportunidade de praticar ioga. Os Purusharthas olham diretamente para o que nos move, as diversas demandas e oportunidades de nossas vidas, e nos lembram que nossa prática de ioga não deve deixar nada de fora.

Sobre nosso especialista

Nataraja Kallio é professora de Estudos de Yoga na Naropa University, em Boulder, Colorado.

Recomendado

Os melhores xampus secos de óleo de argão
Como encontrar alívio para dores nos pés e arcos caídos
Iyengar Yoga 101: postura do triângulo, três maneiras