O Yoga do Combate

Na China do século VI, como os monges zen-budistas que meditaram por longas horas estavam se desenvolvendo espiritualmente, mas enfraquecendo fisicamente, o príncipe Bodhidharma apresentou os monges do Templo Shaolin ao que mais tarde ficou conhecido como kung fu - uma arte marcial baseada na ioga indiana. Os monges não eram apenas sacerdotes, mas também guerreiros, e praticavam esta primeira arte marcial diariamente.

No século XVII, Okinawa (uma ilha entre a China e o Japão) foi capturada pelos japoneses, que levaram as armas dos ilhéus. Para se defender, os okinawanos se voltaram para as artes marciais da China. À medida que o século avançava, as artes marciais lentamente se transformaram de um meio de combate em um caminho espiritual. Tanto a ioga quanto as artes marciais são modos de autocura que visam dissolver o estresse e aumentar a consciência. Ambas as práticas se esforçam para despertar a energia, ou chi , dentro do corpo. Como os iogues, os praticantes de artes marciais aprendem como nãopensar, como ir além do pensamento para o samadhi, um estado de união meditativa com o Absoluto. O Aikido, uma das formas mais novas de artes marciais, incorpora princípios notavelmente semelhantes aos princípios da ioga de mover-se do centro do corpo, relaxar sob pressão e estender o chi.

Os princípios Zen do Aikido diminuem a ênfase do poder do intelecto, instilam a ação intuitiva e ajudam os indivíduos a superar os efeitos de avaliar, julgar, analisar, pensar - condições predominantes de nossa sociedade. A ioga também incentiva a entrega, o desapego da mente e o estar no presente, minimizando o esforço e o esforço.

"A competição é parte integrante da vida em nossa cultura, começando desde o nascimento", diz George Leonard, que é faixa preta de quinto grau em aikido, é co-proprietário de um estúdio de aikido em Mill Valley, Califórnia, e é autor de vários livros incluindo The Way of Aikido: Life Lessons from an American Sensei (Dutton, 1999). Mas o progresso no Aikido vem com um treinamento paciente e diligente. Ele diz a seus alunos "para acompanhar o processo, aproveitar este nível, não se esforçar; continuem praticando e não tentem chegar a lugar nenhum."

Tapete de ioga como Dojo

Um dojo - a palavra japonesa para um lugar de iluminação - é uma espécie de templo e o lugar onde os artistas marciais praticam. No dojo, você entra em contato com seus medos, reações e hábitos. Essa arena de conflito confinado, com um oponente ou parceiro engajando você, ajuda você a se entender mais plenamente. Embora no ioga o processo seja mais individual, seu tapete de ioga pode ser um dojo. As posturas podem levá-lo para dentro de você mesmo, desafiando-o a afrouxar o controle de emoções indiscriminadas, como raiva ou medo.

O objetivo final do Aikido é libertar o indivíduo da raiva e da ilusão, do medo e da ansiedade. Isso é feito constantemente tendo que se tornar não agressivo, de acordo com Leonard. Os movimentos do Aikido protegem tanto o atacado quanto, se possível, o atacante. Um aikidoísta geralmente opta por não ferir um atacante, embora a oportunidade de ferir esteja presente. “Cada vez que você é forçado a não ser agressivo, fica cara a cara com sua agressão interna”, diz Leonard. "Isso não é feito por negação, mas integrando a emoção, compreendendo-a e transformando-a em outra coisa que, em última análise, é o amor."

Existe um paralelo na ioga quando os praticantes confrontam suas próprias emoções. Ao trabalhar com as poses, as pessoas muitas vezes se deparam com raiva, medos, julgamentos e vulnerabilidades. Esses detritos podem se manifestar em diferentes partes do corpo. Por exemplo, sentimentos de pesar geralmente ficam alojados no peito, enquanto o medo e a raiva residem na região do quadril. A coluna, a parte de trás do corpo, pode representar um retorno ao passado, tornando as flexões para trás um desafio para muitos. E as inversões podem gerar uma sensação de vulnerabilidade. Trabalhar as emoções que essas posturas evocam faz parte da prática.

Yoga e aikido se misturam não apenas filosoficamente, mas também no sentido físico - ambos são atividades não lineares. Praticantes de Aikido e Yoga são menos propensos a sofrer lesões por estresse repetitivo do que em esportes lineares, como correr e andar de bicicleta.

A natureza circular e fluida do Aikido estimula o movimento de todo o corpo. Isso não quer dizer que um artista marcial não precise do que Leonard chama de "tônus ​​muscular ideal" que a ioga oferece. “A flexibilidade é essencial porque a rigidez pode causar acidentes”, afirma. Por exemplo, os ombros podem sofrer muitos danos quando rolagens diagonais são realizadas. Este movimento padrão do Aikido envolve rolar graciosamente da mão, braço e ombro direitos, passando pelas costas, até a nádega e a perna esquerda. "Feito corretamente", diz Leonard, "é mágico." Executados incorretamente, os giros podem ferir o ombro e possivelmente quebrar a clavícula. Nesse caso, a flexibilidade flexível que a ioga cultiva torna-se absolutamente vital.

Chutes altos e fortes movimentos em staccato são a versão de Hollywood de muitas artes marciais, mas esses chutes são considerados um desperdício de energia, pois não são um método eficiente de frustrar um oponente, de acordo com Leonard. No entanto, chutar em um nível mais moderado é inerente às artes marciais e o aikido não é exceção. Torcer e exercer força a partir dos membros inferiores envolve os longos músculos do corpo - coxas, nádegas, abdômen e costas - que se prendem à cintura pélvica. Para desenvolver a área flexível do quadril e a forte parte inferior do corpo, essenciais para um aikidoísta, pratique posturas de ioga para abrir o quadril, como Eka Pada Rajakapotasana (postura do pombo) e todas as posturas em pé, que desenvolvem a força das pernas.

Os chutes e quedas exigidos de um aikidoísta podem ser difíceis para os joelhos. Embora o tecido ao redor dos joelhos (o menisco) se desgaste após o uso repetitivo em qualquer esporte, desde que a articulação do joelho esteja bem sustentada pelos tendões e continuamente fortalecida, os joelhos podem suportar os movimentos do Aikido. Para fortalecer e tonificar os joelhos, pratique Virasana (Hero Pose).

O ioga e o aikido compartilham o objetivo de um corpo livre de tensões que use a energia com sabedoria e eficiência. "Se um conjunto de músculos está tenso, eles estão disparando e tirando energia de outras partes do corpo", diz Leonard. "No Aikido, você deve ser capaz de relaxar todos os músculos, exceto o que está sendo usado. Pode ser alucinante, estar muito relaxado, mas capaz de se esforçar o suficiente para derrubar alguém."

No melhor da ioga, acontece a mesma coisa, acrescenta Leonard. "Do relaxamento vem o poder."

Baron Baptiste é professor de ioga e treinador esportivo em Cambridge, Massachusetts, conhecido por seu trabalho com o Philadelphia Eagles e como apresentador do "Cyberfit" da ESPN. Kathleen Finn Mendola é uma escritora que mora em Portland, Oregon.

Recomendado

Cura Traumas da Vida com Yoga
5 fotos inspiradoras de ioga em grupo de leitores
Melhores leggings de cintura alta