A ioga me transformou após a depressão

Quando fiz 38 anos, me vi em uma situação difícil. A depressão intermitente que me assombrava desde minha adolescência havia se tornado mais frequente e grave. Eu estava tomando muitos medicamentos para tratar isso. Antidepressivos, primeiro. Quando as drogas não aliviaram minha dor,

Implorei ao meu psiquiatra por uma dose mais alta e, em seguida, para tentar outro medicamento mais forte. E depois outro. Até que tomei 12 remédios diferentes, 25 comprimidos por dia. Eu tinha sido um redator e editor de revista de sucesso que viajou o mundo a trabalho para o New York Times , Newsweek e muito mais. Eu tinha sido um viajante intrépido para lugares remotos e extremos. As drogas roubaram tudo de mim. Eu desapareci em uma névoa. As drogas me fizeram calar minha fala. Eu tropecei quando andei. Não conseguia andar de bicicleta sem cair. Foi tão ruim que minha esposa escondeu minha bicicleta. Eu fui para a cama Por sete anos.

E então minha vida realmente começou a se complicar. Meu casamento de 15 anos com minha namorada da pós-graduação em jornalismo acabou. Minha mãe foi diagnosticada com câncer terminal. Um querido amigo que considero um irmão mais novo se matou com uma overdose. Eu estava distante do meu irmão e pai verdadeiros por causa da minha raiva por questões antigas. A pior parte: não conseguia sentir nada. Eu estava separado do meu coração e não pude lidar com as mudanças aceleradas. O que eu quero dizer?

Veja também  1 em 5 adultos vivem com doenças mentais. Esses iogues estão quebrando o estigma

Olhando para trás, agora vejo com mais clareza o que aconteceu. Filho de um alcoólatra, também cresci e me tornei um viciado. Em vez de beber, o que temia, fiquei anestesiado com remédios prescritos. As drogas que tomei me impediram de sentir os próprios pensamentos e emoções que precisava curar. As drogas bloquearam o medo - e o medo é a porta de entrada para o crescimento. As drogas acabaram com a empatia. Eu não conseguia sentir a dor dos outros, muito menos a minha. Culpei a todos por meus problemas - por meu divórcio, por minha carreira em dificuldades, por minha difícil dinâmica familiar. As drogas se tornaram uma gaiola de aço em volta do meu coração. Pensei em acabar com tudo. Comprei uma arma.

E então redescobri a ioga, que havia abandonado anos antes. Depois de uma peregrinação de meses de duração à Terra Santa, onde tentei reacender a fé cristã da minha juventude. Eu percebi algo grande. Nenhum messias externo - nem uma pílula, nem Jesus - iria me salvar. Eu teria que me salvar. Então, decidi voltar a praticar ioga. Na minha primeira aula de volta, enquanto estava no Warrior Pose II, me lembrei da energia e confiança que a ioga me trouxe aos meus 20 anos. Enquanto estava deitado em Savasana (postura do cadáver),

Lembrei-me da paz emocional, do refúgio, que uma prática diária proporcionava. Eu queria isso de volta.

Demorou alguns meses para restabelecer uma prática regular. E então eu me comprometi muito: seis dias por semana. Sem perguntas. Eu tomei uma decisão. Todas as manhãs acordei com uma única intenção: se fiz ioga, foi um dia bom. Nada mais importava. Eu me estabeleci em uma prática de vinyasa. Demorou mais alguns meses para a ioga começar a realmente funcionar em mim. Mas fluir movia a energia. Sentar em posturas desconfortáveis ​​me fez refletir sobre meu próprio escapismo da dor, o motivo pelo qual havia começado a usar as drogas. A sabedoria diária dos meus professores de ioga reintroduziu-me na filosofia da ahimsa - não prejudicar os outros, mas especialmente não prejudicar a mim mesmo.

Veja também  5 maneiras de se amar radicalmente hoje

Eu vi os benefícios. O ioga regulava meu sistema nervoso como nenhuma droga que eu tivesse tomado. A depressão e a ansiedade que prevaleciam tanto nos meus 30 anos desapareceram. Também curou meu corpo. A dor foi embora. Mais importante, meu coração começou a se abrir. O ioga me levou a explorar outras práticas espirituais, incluindo meditação. E descobri uma nova maneira de estar na minha pele. Hoje tomo um antidepressivo leve. Mas a ioga leva o crédito por me mostrar o caminho.

Às vezes, os anos perdidos me afetam. Sete anos inteiros perdidos para sempre em uma névoa. Às vezes, sinto pena de mim mesmo e me vejo sozinho e soluçando. E quando isso acontecer, eu sei o que fazer. Eu pego meu tapete. Eu começo a fazer ioga. Na minha carteira, mantenho um pedaço de papel com estas palavras rabiscadas: Comece a fazer ioga. O Yoga salva.

Para mais histórias pessoais sobre o poder transformador da ioga, clique aqui. 

Sobre nosso autor

BRAD WETZLER é jornalista, redatora e professora de ioga em Boulder, Colorado. Saiba mais em bradwetzler.com. 

Recomendado

Q + A: Por que os abridores de quadris são tão bons para mim?
Travesseiros confortáveis ​​para ioga
16 Poses inclinadas para o lado para se preparar para o Pranayama