Fazendo ioga com endometriose

—Adriana Braga, Brasil

Resposta de Esther Myers:

A endometriose é uma condição na qual as células endometriais do revestimento do útero migram para diferentes partes da pelve e para outros órgãos. As células continuam a responder às flutuações hormonais mensais, causando sangramento dentro do corpo, o que pode ser extremamente doloroso e pode causar a formação de tecido cicatricial. O tecido da cicatriz pode ser uma fonte de desconforto significativo. Os tratamentos convencionais variam de pílulas anticoncepcionais a cirurgia para remover o tecido do útero, trompas de falópio e ovários.

A causa da endometriose é desconhecida. Uma teoria sugere que parte do sangue menstrual flui para trás a partir do útero. Esse fluxo retrógrado é muito comum, mas em uma mulher com endometriose, as células perdidas não são destruídas. (É por isso que uma mulher com endometriose deve absolutamente evitar inversões durante a menstruação). Como as células endometriais respondem ao estrogênio, também há especulação de que a endometriose é causada por estrogênio excessivo no corpo

A quantidade e a localização do tecido extraviado variam enormemente de mulher para mulher e com cada ciclo menstrual, o que torna difícil dar uma resposta geral às suas perguntas. Sugiro começar com posturas muito simples, aumentando lentamente e observando cuidadosamente qualquer agravamento ou desconforto.

Comece com a respiração abdominal relaxada e posturas como Supta Baddha Konasana (postura reclinada em ângulo fechado) e Supta Virasana (postura reclinada do herói) que abrem e alongam suavemente o abdome e a pelve. Use essas posturas em momentos de dor, inchaço ou desconforto. Em seguida, concentre-se nas posturas sentadas que abrem e liberam a pelve, como Baddha Konasana (postura em ângulo fechado) ou Upavistha Konasana (flexão sentada em ângulo amplo). Salamba Sarvangasana (ombro) é particularmente benéfico para mulheres com endometriose quando não estão menstruadas, pois ajuda a equilibrar o sistema endócrino.

Minha experiência com tecido cicatricial em meu abdômen de uma histerectomia é que as curvas para trás costumam ser maravilhosas na hora, mas podem causar cólicas no dia seguinte. Comece com pequenas flexões para trás, como Bhujangasana (postura da cobra) e salabhasana (postura do gafanhoto) e gradualmente vá até Dhanurasana (postura do arco), Ustrasana (postura do camelo) e Urdhva Dhanurasana (postura do arco para cima ou da roda) para ver o quanto alonga o corpo dianteiro pode tolerar.

Da mesma forma, as torções alongam os tecidos e estimulam o fígado, o que pode ser benéfico para a endometriose. Certas torções podem não ser confortáveis ​​em determinados momentos de um ciclo mensal. Tente começar com torções muito abertas como Bharadvajasana (torção de Bharadvaja), Marichyasana I (postura de Marichi) ou Parivrtta Janu Sirsasana (postura girada da cabeça aos joelhos). Mova-se gradualmente para torções mais intensas como Ardha Matsyendrasana (Postura de Meio Senhor dos Peixes) ou Marichyasana III.

Para fortalecer os músculos abdominais, comece deitado de costas e concentre-se em puxar o umbigo em direção à coluna enquanto expira. Se não houver desconforto, passe gradualmente para posturas que exijam força abdominal, como Chaturanga Dandasana (postura do bastão com quatro membros) ou Paripurna Navasana (postura do barco completo). Embora uma mulher com endometriose possa fazer uma prática de Ashtanga ou Power Yoga, eu não recomendo essa prática exclusivamente. Seria melhor contrabalançar uma prática vigorosa com posturas que suavizassem, relaxassem e abrissem a pelve.

Tonificar o abdômen ou as nádegas durante a prática é bom para aumentar a força, mas eu não recomendo envolver os bandhas. Uddiyana Bandha e Mula Bandha podem alterar a pressão no abdômen e na pelve, o que pode afetar os órgãos. Uma vez que os órgãos já podem estar sob estresse devido ao tecido cicatricial, o efeito dos bandhas é muito imprevisível para ser arriscado.

No caso da endometriose, a chave é trabalhar gradativamente. Trabalhe lenta e cuidadosamente para descobrir o que funciona melhor.

Os 10 anos de Esther Myers como aluna de Vanda Scaravelli a inspiraram a encontrar sua própria abordagem orgânica e única para a ioga. Esther deu aulas no Canadá, na Europa e nos Estados Unidos antes de morrer de câncer em 2004. Ela deixou um manual de prática para iniciantes e um livro intitulado Yoga and You, bem como dois vídeos, Vanda Scaravelli sobre Yoga e Gentle Yoga para Sobreviventes do câncer de mama.

Recomendado

Por que os atletas precisam de apoios de mão
Teve uma lesão no pulso? Essas trocas de postura o ajudarão a manter sua prática de ioga
Astrologia: o que seu signo diz sobre sua personalidade de ioga + condicionamento físico